Pagamento do décimo quarto (14º) do INSS avança; como será liberação?

O projeto de lei que determina o pagamento do 14º salário para segurados do INSS avançou uma etapa na Câmara

Pagamento do décimo quarto (14º) do INSS avança; como será liberação? O Projeto de Lei 4367/20 que estabelece o pagamento do décimo quarto (14º) salário para aposentados, pensionistas e demais segurados do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) avançou uma etapa na Câmara dos Deputados, após meses parado. Entretanto, ainda há várias etapas para ele de fato ser confirmado.

O projeto recebeu parecer favorável na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) e poderia ser votado na comissão nos próximos dias. Mas depois foi decidido que o projeto passaria por comissão especial na Câmara.

Com isso, basta ele ser aprovado nessa comissão para seguir para o Senado. Depois, precisa ser aprovado por senadores e seguir para sanção presidencial.

O PL 4367/20 foi criado pelo deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS) e prevê o pagamento em dobro do abono anual estabelecido em lei, ou seja, dois pagamentos de 13º, limitado ao valor de dois salários mínimos (atualmente, R$ 2.424).

A ideia, segundo o deputado, é beneficiar milhões de pessoas que já receberam seus 13° salários e que, no final do ano, não terão mais esses valores para auxiliar nas despesas do final do ano. Por causa da pandemia, o governo antecipou o pagamento do 13º dos aposentados em 2020, 2021 e 2022.

Na época em que propôs o projeto, em 2020, o deputado disse que muitos aposentados sustentaram suas famílias durante a pandemia.

Veja abaixo como funcionará o pagamento se ele for aprovado:

Quanto seria pago?

O 14º salário a ser pago dependerá do valor recebido pelo aposentado ou pensionista, prevê o projeto:

Aposentado ou pensionista que recebe um salário mínimo de benefício terá direito a um 14º salário de igual valor (R$ 1.212).

Aposentado e pensionista cujo benefício seja superior a um salário mínimo receberá 14º salário equivalente a um salário mínimo acrescido de uma parcela proporcional à diferença entre o salário mínimo e o teto do INSS (hoje em R$ 7.087,22). O valor total não pode passar de dois salários mínimos (R$ 2.424).

Quando seria pago?

Os pagamentos seriam feitos por dois anos. Na época da apresentação da proposta, ela valeria para 2020 e 2021, mas não foi aprovada a tempo. Se aprovada agora, valeria para 2022 e 2023.

Quem tem direito de receber?

Todos os aposentados e pensionistas do INSS. Ou seja, pouco mais de 31 milhões de pessoas.

O pagamento seria permanente?

Não. O projeto de lei não prevê um abono de caráter permanente. A concessão é por apenas dois anos.

De onde viria o dinheiro?

Segundo texto do relator da proposta, deputado Fábio Mitidieri (PSD-SE) — e pré-candidato ao governo de Sergipe —, o benefício seria bancado com dinheiro de três fontes:

  • Aumento temporário das alíquotas de um tributo, a CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido), para bancos e empresas de combustíveis e energia;
  • Recursos de dividendos arrecadados pela União nos setores bancários, de combustíveis e de energia;
  • Revogação de isenções fiscais para empresas, listadas no Projeto de Lei nº 3.203, de 2021.
Notícias em destaque
Deixe o seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação